FALANDO DE
FRANQUIAS

Gestão de Redes

Comitê de Trabalho com Franqueados: colaboração para ultrapassar a crise

No contexto desafiador causado pela pandemia de Covid-19, muitas redes de franquias foram severamente impactadas. Redução drástica nas vendas, fechamento total das lojas e falta de capital de giro são algumas das diversas situações que vêm sendo enfrentadas diariamente. Em períodos de recessão econômica, com um ambiente de extrema instabilidade e preocupação, os problemas entre franqueados e franqueadores podem aumentar, pois alcançar os resultados mínimos para a operação continuar funcionando se torna mais complexo e, para isso, a rede precisa estar muito bem alinhada para que todas as expectativas sejam cumpridas. Assim, surge o questionamento:

Como lidar com todos os acontecimentos da forma mais rápida e eficiente possível?

Primeiramente, lembramos que, numa situação extrema como a que enfrentamos hoje, quem faz parte de uma rede de franquias possui uma grande vantagem: o poder de atuar em rede. Por isso, a implantação de um comitê de franqueados pode te auxiliar a superar esse momento de crise, e, nesse momento turbulento, manter canais de relacionamento com os franqueados deve ser prioridade.

 

MOTIVOS PARA CRIAR UM COMITÊ DE FRANQUEADOS:

Convidar os franqueados para auxiliar e participar de processos de criação e decisão mostra uma postura aberta e receptiva à construção conjunta por parte da franqueadora, valorizando e reconhecendo a importância de cada pessoa no grupo. Com isso, o senso de pertencimento da rede estimula o engajamento por parte de todos. O propósito é de que, dessa forma, se traga o franqueado para participar junto da elaboração de novas ideias, soluções colaborativas e estratégias inovadoras e, também, que aconteça a troca de práticas entre os próprios franqueados, aproximando-os de modo com que compartilhem o que estão fazendo que está dando certo na suas unidades.

 

COMO CRIAR UM COMITÊ DE FRANQUEADOS:

Você pode criar uma estrutura de caráter temporário e provisório, formada por todos os franqueados que queiram participar das reuniões. Para que não sejam muitas pessoas, caso você tenha um grande número de franqueados, você pode limitar o número de participantes ao máximo de 7 ou 10 pessoas, por exemplo. Nela, é papel da franqueadora instigar a participação dos presentes, sendo imprescindível que todos percebam que têm voz e que estão de fato cooperando para pensar nas melhores ações.

Esses encontros virtuais podem ser realizados com periodicidade semanal (neste momento de crise e instabilidade, a comunicação deve ser o mais constante possível) e devem ter pautas pré-definidas, as quais devem ser comunicadas com antecedência para maior preparação do grupo.  Compartilhar, de forma clara e bem comunicada as ações que a franqueadora está pensando, além de debater o planejamento pretendido e, também, colocar as pautas trazidas pelos franqueados para discussão são alguns assuntos que podem (e devem!) ser debatidos no comitê. É proveitoso, também, compartilhar com todos os franqueados, mesmo os que não fizerem parte do comitê, o que for tratado e definido nas reuniões, assim como as responsabilidades de cada um e atualizar a todos constantemente sobre o andamento dos planos de ação, gerando ainda uma maior proximidade.

É de extrema relevância envolver os responsáveis diretos das unidades na elaboração de processos de enfrentamento deste momento adverso, mas, também, debater e construir como será a retomada é fundamental nesse momento. Assim, com esse espaço para conversa e diálogo, é muito importante responder à seguinte questão:

Como a rede pode se unir e definir uma estratégia para a retomada?

Entender o que pode ser feito de forma prática, como a rede pode se preparar e traçar cenários com datas diferentes de volta e abertura das unidades, por exemplo, desenhando planos de ação para cada situação, são algumas das possibilidades. Lembre-se: é muito importante que, após cada reunião, algum membro fique responsável por escrever uma ata e encaminhar a todos os participantes! Dessa maneira, fica formalizado e claro tudo que ficou definido.

 

A POSTURA DA FRANQUEADORA:

É essencial que a franqueadora tenha postura aberta e receptiva pra ouvir. Podem surgir críticas e tópicos delicados a serem trabalhados, e, por isso, é importante ter maturidade, adaptabilidade e transparência como rede para que o grupo funcione e gere os resultados esperados.

 

DE OLHO NO FUTURO:

Fica claro, assim, que se reunir com os franqueados pode gerar uma proximidade muito grande com a rede, ajudando com que as responsabilidades sejam compartilhadas nesse momento de grande desafio e fomentando o engajamento de todos para garantir que a rede retome de forma muito mais preparada. Possivelmente, se os comitês nunca foram implementados na sua rede de franquias, todos verão o quão proveitosos podem ser para todos e esta seja uma prática que siga mesmo depois que tudo isso passar!

 

Texto: Juliana Dariva – Coordenadora de Gestão de Redes

LEIA TAMBÉM

Expansão

Existe vínculo empregatício entre franqueador, franqueado e funcionários das franquias?

Este é um assunto amplamente discutido no meio de franquias há algum tempo. Sempre houve este receio: a franqueadora pode ter...

Veja mais >>

Expansão

Como franquear o seu negócio

Franquear um negócio é um passo importante e uma grande responsabilidade, e apesar do que ouvimos muitas vezes, deve ser...

Veja mais >>

Gestão

O que é na prática o suporte ao franqueado

A forma como se da a relação franqueado e franqueador é o ponto-chave do sucesso de qualquer unidade franqueada, consequentemente,...

Veja mais >>